segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Dios Padre Todopoderoso/ Poema MIL.


Dios Padre Todopoderoso
Vierte sobre nosotros tu bondad
Envíenos su fuerza
Para soportar nuestras pruebas
Danos el espíritu de la seguridad
Que todo está en su comando
Y nada puede hacernos daño
Que en lugar de lamentar
Orar con mucha fe y confianza
Danos la fuerza para soportar
Las pérdidas y los altibajos de la vida
Aceptar sus decisiones
Porque tú eres nuestro Señor
Eres nuestro Padre Todopoderoso
Y sólo usted puede aliviarnos
Danos la valentía y la calma
En los momentos difíciles
La confianza de que harás lo mejor!
Dios Padre Todopoderoso
Creador del cielo y la tierra
Su voluntad es soberana
Su fuerza manda a los mundos
Su amor nos sostiene
Sin ti no somos nada!
Gracias por permitirnos a la vida
Al escuchar nuestras oraciones
Y el apoyo en todo momento
Gracias, muchas gracias!

Maria Iraci Leal/MIL
POA/RS/Brasil
13/08/2012
Derechos reservados

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Volver a la vida/ Poema MIL.


Volver a la vida… 
Yo morí 
Y ajeno a todo  
Un sentimiento maravilloso me llevó 
Para un tubo que conducía a alguna parte 
Al tratar de entrar en este lugar 
Un hombre me cerraba el paso 
Me dijo que no podía morir 
Necesitaba cumplir 
Con mis compromisos 
El hombre era un maestro 
No se ha identificado 
Pero él dijo: 
Es necesario volver 
Aprender a amar y perdonar 
Vivir experiencias buenas y malas 
El hombre me dijo: 
Vuelve a cumplir con su destino 
Encontrar a Dios en su corazón 
Él me empujó de nuevo en mi cuerpo 
Me desperté del coma 
Y cambió mi vida 
Volví y empecé a vivir con Dios 
En todo el tiempo ... 
No tengo miedo de la muerte 
Pero entendí que la vida es un compromiso 
Una bendición y el aprendizaje! 


Maria Iraci Leal/MIL 
POA/RS/Brasil 
21/04/2012
Obra Licensiada
Creative Commons License

sexta-feira, 9 de março de 2012

Vozes do silêncio/ Poema MIL.


Vozes do silêncio 


Muitas vezes a vida 
Impõe-se algoz e sem piedade 
A sua dupla face mostra  
Quebra-se o mundo 
Os sonhos viram cacos 
Sobre nós os dardos lançados 
Gestos e falas ferindo como armas 
Tempo de negritude e sofrimento 
Onde tudo ou muito se perde, até o sentido 
E se... Se sobrar alguma expectativa 
Alguma réstia de claridade 
Há que recolher-se á quietude 
Amordaçar o desejo de morte 
Buscar nas vozes do seu silêncio 
A ligação com os anjos protetores 
Abrir o portal da sua alma 
Buscar dentro de si a luz do Mestre 
A força que liberta 
Fazer ouvidos moucos aos raios destruidores 
Estrangular a tempestade 
Incinerar o mal e o medo 
Transmutar na fogueira santa 
Da sua crença, da sua fé 
Quando a vida mostra sua dupla face 
E muito ou tudo se perde 
Há que recolher-se 
Ouvir as vozes do silêncio 
Buscar dentro de si mesmo 
A luz e o Mestre 
Não desespere Deus está atento 
Quando menos espere 
Abençoará com o milagre 
Mudará a sua sorte! 


Maria Iraci Leal/MIL 
03/03/2012 
POA/RS/Brasil

Meditando... Poema MIL.

Meditando...  
Apenas uns minutos de silêncio  
Retire-se para um lugar calmo  
Sente confortavelmente Relaxe bem o corpo 
Feche os olhos e se solte 
Procure não pensar em nada 
Isto é, não racionalizar 
Permita que os pensamentos fluam 
Sem direcioná-los 
Se forem bons, ótimo 
Se ruins, melhor ainda, não bloqueie 
Permita que se mostrem 
Tudo que chega á consciência 
Será transmutado 
Se quiser chorar, chore 
Se quiser rir, ria, gargalhe 
Deixe as emoções fluírem 
Não tenha medo 
Deus está no comando, sempre! 
Uns minutos de meditação 
Entregue ao Cosmos, sem rito 
Confiante em Deus e sem medo 
Faz milagres no sistema psico/físico e espiritual 
Experimente e sinta-se cada dia melhor! 
A imagem ao lado é captação de energia 
Amorosa e transmutadora, olhe para ela 
Transmitirá o que necessitas! 


 Maria Iraci Leal/MIL 
 09/03/2012 
 POA/RS/Brasil

quinta-feira, 8 de março de 2012

O homem se veste de anjo...Poema MIL.


O homem se veste de anjo... 


Por entre sombras 
Sempre surge um pouco de sol 
Que nos dá vida e força 
Por entre sombras 
Sempre uma luz se denuncia 
E anuncia que no mundo 
O homem se veste de anjo 
Toca com a sua magia 
E o coração acredita 
Que aínda é possível 
A fraternidade! 


Maria Iraci Leal/MIL 
08/03/2012 
POA/RS/Brasil

Julgamentos! Betimartins.


Julgamentos!  
Para o ser humano é tão fácil julgar  
Apontar, destruir, criticar, desdenhar  
Pobre sonhador, que vive nas suas nuvens  
Nuvens, essas densas, pesadas, cheias de dor  
De desgraças, cobiça e mal estar consigo  
Fácil demais tentar desmotivar, escurecer 
Os caminhos dos que se atrevem a iluminar 
Sonhos por outros tomados, sendo vividos 
Pela coragem de quem se atreveu a sonhar 
E o brilho assusta quem não sabe brilhar 
Nem mesmo encontrar a sua luz e o seu viver 
Apontar, maldizer, julgar e quem sabe, até rir 
Dos que realizam os seus sonhos, vivendo 
E o ser intrometido, julga, critica e goza 
Há! Como é bom gozar o outro sabe bem! 
Mas cuidado que o teu julgamento divino 
Esta batendo na tua porta e tu saberás ser forte? 
Estarás preparada para o teu próprio julgamento 
E saberás conscientemente os teus reais defeitos 
Manterá esse porte altivo, esse porte de Poder! 
Eu estou aqui, forte, curando as minhas feridas 
Não sou capaz de julgar, quem sou eu, um nada 
Sou apenas, o pó da estrada nada mais que isso... 


Betimartins 08/03/2012 
São José do Rio Preto/SP/Brasil

quinta-feira, 1 de março de 2012

Saudações! Shavana Ravan Sheran


Saudações! 


Perdoe, perdoe, perdoe; 
eis o clarim que toca em seu coração.  
Ouvi-o como pode não escutá-lo? 
Eu, daqui onde estou, posso ouvi-lo? 
Perdoe seus erros, 
perdoe suas mágoas, abra os seus olhos.  
Veja o lago dourado da infinita sabedoria.  
Perdoe! Seja bálsamo puro e cristalino. 
Retire as amarras de seu ser. 
O perdão já está batendo nas portas de seu coração                                                                                                                                               Perdoe seja liberto! 
Perdoe e aceite! 
Queira ou não, esta chama já resplandece sobre você, 
libertando-o e ascencionando-o 
na força de uma nova criação. 
o tempo lhe dirá as transformações 
dessa iluminada expressão. 
Esteja em Paz, eu estarei convosco
a iluminar e a engrandecer 
esta chama em seu coração.  
Paz, em nome das doze Águias. 


 "Estraído do Livro Saudações da Luz" 
 Shavana Ravan Sheran

Quero falar... Poema MIL.


Quero falar... 


Quero falar de amor 
Amor que acolhe e se completa 
Na alegria do outro 
Quero falar da alma 
Alma que ama 
E Deus proclama 
Em cada olhar e cada gesto 
Quero falar de sentimento 
Sentimento fraterno 
Que se doa e perdoa 
Amor de todos os momentos! 


Maria Iraci Leal/MIL 
POA/RS/Brasil 
25/02/2012 
Direitos Reservados 
Creative Commons License

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Olhos do amor... Poema MIL.


Olhos do amor
Olhos que atravessam os espaços
Navegam em águas límpidas
São olhos que quando pousam
Enxergam além das aparências
Afagam e beijam, lavam a alma
Percebem e sentem do ser
O que de melhor cada um tem
São olhos que vão muito além
Dos medos e preconceitos
Vicejam no amor e na luz
Transmitem a esperança
Olhos desprovidos de ego
De quem veio para se doar
Amar incondicionalmente
A quem quer que seja
São raios de luz
Dão vida onde pousam
São olhos de quem
Tem Deus no coração!
Maria Iraci Leal_MIL
20/01/2012
POA/RS/Brasil
Creative Comonns License

Sensata utopia! Poema MIL.


Sensata utopia!

Deixo o absoluto concreto
Esqueço o sensato real
Me lanço ao sonho sem nexo
Atravesso o ilimitado
Descarto i improvável
Beijo a alienação
Minhas asas são
A supremacia da vontade
Meu eu em liberdade
Dispenso a forma
Transgrido normas
O incabível já não me vale
Fique meu corpo na Terra
Entre as areias da submissão
Minh’alma vai ao Cosmos
Sem estrada nem direção
Deitar numa nuvem cor de rosa
Planar o impossível e inimaginável
Olhar a chuva que cai
Molha de amor e dá vida
Ser um átomo que se move
Dança, canta e ri pela nebulosa
Desvenda o livro das origens!

Maria Iraci Leal/MIL
POA/RS/Brasil
16/07/2010
Creative Commons License

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Podem matar as flores... Poema MIL.


Podem matar as flores...

Podem matar as flores,esmagar todo jardim
Mas as sementes plantadas dormem tranquílas
Até a próxima primavera
Podem pisotear a bondade
Sangrar o discípulo,maltratarem a carne
Mas sua alma renascerá em outra quimera
Podem matar a confiança, pisotear a razão
Abalar todos os princípios
Não podem tirar a fé ou quebrar a alma
Apagar a luz de um coração
Se o jardim foi destruído, a bondade pisoteada
E  a carne dilacerada,não importa
Pois o amor e a fé sempre viverão
Outras flores e sonhos trarão!

Maria Iraci Leal
POA/RS/Brasil
14/10/10
D.R.Creative Commons License

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Muito além / Poema MIL.


Muito além daqui

Onde tempo não é programado
Não existe castigo nem pecado
A vida não é jogo nem acaso
Não há disputas nem conquistas
E pessoas não são peças de tabuleiro
Muito além daqui
Além das cores do arco íris
Vibra a vida em perfeita harmonia
Não há dor, culpas ou culpados
Não há dogmas nem aforismos
Sómente amor e equidade
Energias em diversas formas
Vivendo na mais completa aliança
Como parte integrante do Cosmos
Em planos e planetas, miríades de estrelas
Dimensões que o ser humano não alcança
Por gravitar ainda no mundo dos desejos
Nos sentimentos individualistas
Antagonismos e crenças que alienam
Separam o homem do próprio homem
Muito além daqui
Onde não existe castigo nem pecado
A vida flui em perfeita conexão
Cada qual em sua forma e condição
Como elemento partícipe do Cosmos
Enquanto a Terra se perde entre sombras
O ser humano em conquistas e guerras!

Maria Iraci Leal-MIL
24/01/2012
POA/RS/Brasil
Ó trabalho “Muito além daqui" de Maria Iraci Leal foi licenciado com uma Licença
Creative Commons License- Atribuição- Não Comercial-Sem Derivados 3.0 Não adaptada   

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Eu sou nada e tudo / Poema MIL.






















Eu sou nada e tudo 


Eu sou um nada no mundo 
Mas um fragmento revelado 
Na fé, na força do eu profundo 
Mas tal qual o mistério dum rio 
Que corre manso e tranquilo 
Carrego minhas pedras e entulhos 
As tristezas e mágoas vividas 
 Eu sou um nada que morre todo dia 
A cada dor que me é impingida 
Mas renasce na luz da esperança 
Quando alguém me acarinha 
Talvez tenha até fracassado 
Nas batalhas do cotidiano 
 Pra mim sem nenhum sentido 
Tão fora de tudo que acredito 
Eu sou fragmentos, restos de dores 
Caminhada de sofrimentos 
Como nem sei só Deus sabe 
Dei e dou a volta por cima 
Eu sou o nada e o tudo 
Uma criatura, um ser humano 
Que erra e acerta, chora e ri 
Cai e levanta, sempre continua! 


 Maria Iraci Leal_MIL 
17/01/2012 
POA/RS/Brasil

Akiane Menina Prodígio Child Art Prodigy

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

ESCONDIDA


Tive o acesso negado
Tantas foram as portas
que bateram
Algumas que se trancaram
Outras tantas se quebraram
A passagem, não foi permitida
O acesso, me foi negado
Tanto faz, se acaso ou pecado
Fechei os olhos ao passado
E o peito a emoção
Disse não a saudade
Tive medo da ilusão
Novos amores bateram a porta
Mas, por tanto medo
Fiz ouvidos de mercador
Olhei para outro lado
Fingi-me dormente
Disse não a tanta gente
Impedi-me a visão
Cobri os olhos com a mão
Escondi o rosto sem razão
Deixei um cão de guarda do lado de fora
Alerta a todo mundo
Aticei-o contra todos
Vesti-me de culpas
Apertei as amarras
Dei a volta pela porta detrás
Espiei pelas frestas
Saí a francesa de tantas festas
Só para não dizer não
Me fechei pra reforma
E nunca mais me abri
Todo mundo passou,
E só eu não vi...

Vera Celms
Licença Creative Commons
A obra ESCONDIDA de Vera Celms foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.